Djibuti, o país que quer se tornar uma ‘Dubai africana’

“Cercado” por alguns dos países de situação mais instável da África – Somália, Etiópia e Eritreia –, o Djibuti não poderia ser mais diferente de seus vizinhos.

O empobrecido país de 830 mil habitantes está chamando a atenção pelos esforços de modernização, simbolizados pela pretensão de se transformar em uma “Dubai africana” – um polo turístico e econômico.

Entenda por que esses planos não são tão ambiciosos:

Oásis pacífico

Enquanto países fronteiriços enfrentam sérios problemas de segurança, que incluem o crescimento da militância islâmica, o Djibuti é considerado seguro o suficiente para sediar a maior base militar do exército dos EUA na África, sem falar na maior guarnição da Legião Estrangeira francesa.

Há também um exército de 53 mil homens de negócio que visitam o país anualmente. Os turistas, por enquanto, ainda passam longe.

AlamyImage copyrightAlamy

Image captionProjetos de infraestrutura captaram US$ 14 bilhões

Semelhanças

Assim como Dubai, parte dos Emirados Árabes Unidos, o Djibuti é marcado por terreno desértico e impróprio para a agricultura. Por isso, o país quer explorar sua posição geográfica estratégica – está à beira do Golfo de Áden, que tem o mais intenso tráfego naval do mundo – para se transformar em uma espécie hub regional logístico.

Catorze projetos, totalizando US$ 14 bilhões, estão ampliando o sistema de transportes terrestres, aéreos e marítimos do Djibuti até 2035.

O mais importante deles é o novo aeroporto, que terá capacidade para receber 30 vezes mais visitantes.

AlamyImage copyrightAlamy

Image captionPaís conta com costa de 324km de extensão

Cartão postal

Diferentemente de Dubai, porém, o Djibuti tem paisagens naturais deslumbrantes, com extensos recursos geológicos e marinhos. Sua costa tem 324km de extensão e saída para o Mar Vermelho, atraindo amantes do mergulho.

As ilhas de Mouska e Maskali têm praias paradisíacas e oferecem condições para a canoagem. Moucha, por sinal, ganhará em breve um resort de luxo

Acomodações ecológicas

Com uma infraestrutura hoteleira ainda modesta, o Djibuti está investindo no que se pode chamar de campings ecológicos: acomodações inspiradas nos assentamentos nômades, marcados por um tipo de tenda feita com esteiras. Estão equipados com eletricidade provida por energia solar, banheiros e chuveiros. De bônus, o céu estrelado que permite ver a Via Láctea a olho nu.

AlamyImage copyrightAlamy

Image captionPaís mistura elementos europeus e árabes

Sincretismo cultural

A Cidade do Djibuti, capital do país, é o símbolo perfeito para explicar a cultura local: a cidade é marcada pela convivência de elementos arquitetônicos árabes e europeus – o Djibuti foi colônia francesa até 1977, entremeados por mercados de rua e street food. O francês e o árabe também são as línguas oficiais.

Novas conexões

Uma nova ferrovia ligará o Djibuti à Etiópia neste ano, em uma viagem de 10 horas até a capital etíope, Adis Abeba. Isso revolucionará o transporte terrestre, que atualmente se resume à uma perigosa estrada e a um exaustivo percurso de dois dias.

Fonte: BBC

Share This Post

Post Comment